O que é Bitcoin? Entenda de vez esse conceito!

Stock_Banners_eToro

Para ultrapassar a confusão em torno do Bitcoin (BTC), precisamos separá-lo em dois componentes. Por um lado, você tem Bitcoin – o token, um trecho de código que representa o domínio de um conceito digital que procura ser o equivalente ao euro ou dólar virtual. Por outro lado, você tem Bitcoin – o Protocolo, uma rede distribuída que mantém um livro de registo de saldos de Bitcoin (o token). Ambos são chamados comummente de “Bitcoin” ou pela sigla indicativo BTC.

O sistema permite que os pagamentos sejam enviados entre os usuários sem passar por uma autoridade central, como um banco ou um gateway de pagamento. É criado e mantido eletronicamente. Bitcoins não são impressos, como dólares, reais ou euros – eles são produzidos por computadores em todo o mundo, usando software livre.

Foi o primeiro exemplo do que hoje chamamos de criptomoedas (ou cryptocurrencies), uma classe de ativos crescente que compartilha algumas características de moedas tradicionais, com verificação baseada em criptografia.

bitcoin no mundo global

Quem criou o Bitcoin (BTC)?

Um programador de software que se dá pelo nome de Satoshi Nakamoto propôs Bitcoin em 2008, como um sistema de pagamento eletrônico baseado na prova matemática. A ideia era produzir um meio de troca, independente de qualquer autoridade central, que poderia ser transferido eletronicamente de uma forma segura, verificável e imutável.

Até aos dias de hoje, ninguém sabe quem Satoshi Nakamoto realmente é.

De que forma o Bitcoin (BTC) é diferente das moedas tradicionais?

Bitcoin pode ser usado para pagar por coisas eletronicamente, se ambas as partes estiverem dispostas a tal. Nesse sentido, é como dólares convencionais, euros, reais ou iene, que também são comercializados digitalmente. Mas difere das moedas digitais (criptomoedas) de várias maneiras importantes:

1 – Descentralização

A característica mais importante de Bitcoin é que ela é descentralizada. Nenhuma instituição controla a rede Bitcoin. É mantida por um grupo de codificadores voluntários, e gerido por uma rede aberta de computadores dedicados espalhados pelo mundo. Isto atrai indivíduos e grupos que são contra o controle que os bancos ou as instituições governamentais têm sobre o seu dinheiro.

network bitcoin descentralizada

O Bitcoin resolve o “problema de despesa dupla” de moedas eletrônicas (em que os ativos digitais podem ser facilmente copiados e reutilizados) através de uma combinação engenhosa de criptografia e incentivos econômicos. Em moedas eletrônicas Fiat (as moedas convencionais, mantidas e controladas por governos, tais como o Euro, o real ou o dólar), esta função é cumprida pelos bancos, o que lhes dá o controle sobre o sistema tradicional. Com Bitcoin, a integridade das transações é mantida por uma rede distribuída e aberta, que não é de propriedade de ninguém.

2- Stock (fornecimento) limitado

As moedas Fiat (dólares, euros, ienes, etc.) têm um stock ilimitado – os bancos centrais podem emitir tanto volume quanto queiram, e podem tentar manipular o valor de uma moeda em relação a outra. Os titulares da moeda (e especialmente os cidadãos com pouca alternativa) são forçados a suportar o custo.

Com Bitcoin, por outro lado, a oferta é rigidamente controlada pelo algoritmo subjacente. Um pequeno número de novos bitcoins são gerados a cada hora. Esse processo continuará a ocorrer em uma taxa de diminuição até que um máximo de 21 milhões tenha sido atingido. Nunca existirão mais do que 21 milhões de btc em circulação. Isso torna Bitcoin mais atraente como um ativo, uma vez que em teoria, se a demanda cresce e a oferta permanece a mesma, o valor irá aumentar.

“Assim, o bitcoin tem uma tendência natural para aumentar de preço com o tempo.”

3- Pseudónimo (ou “pseudo anonimidade”)

Enquanto que os remetentes de pagamentos eletrônicos tradicionais são facilmente identificáveis (para finalidades de verificação, e para cumprir com as legislações de lavagem de dinheiro, entre outras), os usuários de BTC, na teoria, operam no semi-anonimato. Como não há um “validador”/controlador central, os usuários não precisam de se identificar ao enviar Bitcoin para outro usuário. Quando uma solicitação de transação é enviada, o protocolo verifica todas as transações anteriores para confirmar que o remetente tem o BTC necessário, bem como a autoridade para enviá-lo. O sistema não precisa de saber a sua identidade em momento algum.

Na prática, cada usuário é identificado pelo endereço de sua carteira. As transações podem, com algum esforço, podem vir a ser rastreadas desta forma. Além disso, governos podem vir a desenvolver formas e leis que venham a contrariar esta propriedade.

Para além do mais, a maioria das exchanges (websites que permitem aos usuários comprar e vender criptomoedas) são obrigadas por lei a realizar verificações de identidade em seus clientes antes que eles tenham permissão para comprar ou vender Bitcoin, facilitando assim que o uso de Bitcoin possa ser rastreado. Uma vez que a rede é transparente, o progresso de uma determinada transação é visível para todos.

Isso faz com que BTC não seja uma moeda ideal para criminosos, terroristas ou esquemas de lavagem de dinheiro, sendo que com o tempo foram aparecendo variadíssimas alternativas no mercado que prometem maior segurança e anonimidade.

 

4 – Imutabilidade

As transações Bitcoin não podem ser revertidas, ao contrário das transações eletrônicas. Isso porque não há uma entidade central que possa dizer “Ok, devolva o dinheiro.”. Se uma transação é registrada na rede, e se mais de uma hora passou, é impossível modificar esse registo. Embora isso possa inquietar alguns, isso também significa que qualquer transação na rede Bitcoin não pode ser adulterada, mais uma das muitas razões pelas quais o BTC consegue ser mais transparente que a generalidade das moedas convencionais (Fiats).

 

5 – Divisibilidade

A menor unidade de um Bitcoin é chamado de Satoshi. É 100 milionésimo de um Bitcoin (0.00000001). Isso permite que ocorrem microtransações que com o dinheiro tradicional não eram possíveis.

Vamos aprender mais sobre Bitcoin?

Neste artigo explicamos o conceito base por detrás do Bitcoin e o que é o Bitcoin (BTC), mas existem ainda muitas coisas por aprender e descobrir neste universo do bitcoin. Clique aqui para aceder à nossa página dedicada ao Bitcoin, onde terá acesso a informações detalhadas sobre o Bitcoin, o que é, como funciona, para que serve e como comprar.

Agora que já conhece um pouco melhor o mercado das criptomoedas, siga o link abaixo e descubra num vídeo exclusivo todos os segredos do Bitcoin e como começar a criar rendimentos investindo em Bitcoin:

Comments (No)

Leave a Reply

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.