Ethereum: a plataforma para contratos inteligentes

A febre do Bitcoin e criptomoedas tem despertado interesse de muitos investidores e a palavra Ethereum acaba aparecendo em algum momento diante dos olhos de quem está buscando por informação. Então vamos entender melhor o que é Ethereum.

O que é Ethereum

Ethereum é uma plataforma aberta e pública que utiliza o poder do blockchain para processamento de contratos inteligentes (smart contracts) e assim como o Bitcoin, é uma das pioneiras no trabalho com o conceito de ledger distribuída.

A plataforma permite o desenvolvimento de aplicações descentralizadas, ou seja, elas não dependem de um sistema central para interagirem umas com as outras.

O criador do Ethereum

Vitalik Buterin nasceu na Rússia onde viveu até os 6 anos de idade. Seus pais imagraram para o Canadá em busca de melhores oportunidades de trabalho.

Enquanto estudava em uma escola no  Canadá, Vitalik foi colocado em uma turma especial de superdotados e para estudar matemática, programação e economia. 

Vitalkin aprendeu sobre Bitcoin com seu pai que é um cientista de computação e se interessou muito pelo conceito. Ele iniciou a faculdade mas acabou abandonando em 2014 para dedicar-se em tempo integral à idéia de criar a plataforma Ethereum

A oportunidade de se dedicar ao projeto surgiu quando ele ganhou uma bolsa de estudo no valor de 100 mil dólares ao apresentar a proposta do Ethereum.

As origens do Ethereum

Tudo começa em 2013 quando Vitalik apresenta o documento (white paper) com a decrição  detalhada do projeto Ethereum. Nessa época esse jovem visionário já tinha experiência escrevendo sobre o Bitcoin na revista Bitcoin Magazine

O desenvolvimento oficial do Ethereum se iniciou em 2014 através da empresa Suíça Ethereum Switzerland GmbH com o trabalho de uma equipe integrada pelos desenvolvedores Vitalik Buterin, Mihai Alisie, Anthony Di Iorio e Charles Hoskinson.

Uma fundação sem fins lucrativos chama Ethereum Foundation também foi criada.

A Criptomoeda Ether

É importante entender que há a plataforma chamada Ethereum e a criptomoeda Ether que é gerada dentro da plataforma e utilizada para compensar os mineradores. 

É comum no mercado, notícias e midias sociais encontrar pessoas se referindo à moeda como Ethereum ao invés de Ether, mas é compreensível que possa haver essa confusão pois o símbolo para a moeda Ether dentro das exchanges é o ETH.

Em resumo a moeda é o Ether que é abreviado ETH. Quando você for fazer uma compra na exchange como a CoinBR por exemplo, está comprando ETH.

O que é gas na plataforma Ethereum?

Outro termo importante utilizado é o “gas” que é a unidade de medida do gasto computacional utilizado nas transações dentro da plataforma Ethereum.

O conceito na verdade é bem simples. Cada tipo de operação realizada como adição, subtração, multiplicação, divisão, e outras mais complexas tem um custo. 

Obviamente as operações mais simples como adição, tem custo menor, ao passo que as mais complexas como SHA3BASE que gera hash tem um custo maior.

Veja na tabela abaixo um exemplo do custo total de uma operação

OperaçãoCusto em Gas
Soma 9 ( + )3
Maior que ( > )3
SHA3BASE30
Endereçamento2
TOTAL38

No desenvolvimento de software para a plataforma Ethereum é possível limitar a quantidade de “gas” que deve ser utilizada, evitando-se assim loops de contrato.

limite pode ser usado para cada bloco dentro do blockchain, isso seria equivalente ao limite máximo de 1MB para o processamento de transação do Bitcoin.

Até 4.2 milhões de gas podem ser utilizados por bloco, se o limite de gas do bloco ou do contrato é excedido, o progresso do contrado é revertido (executa o rollback).

Exemplos de uso do Ethereum

Como já foi explicado antes, a plataforma permite o desenvolvimento de sofwares que podem rodar com o processamento descentralizado,utilizando os smart contracts que são contratos inteligentes capazes de realizar tarefas incríveis.

Com exemplos práticos fica mais fácil entender os conceitos, vamos a eles:

1. Solução para sistema de transporte

Exemplo sem uso de smart contract

OK, vou utilizar um exemplo de uma pessoa que mora em São Paulo e precisar pegar um trem diariamente para ir trabalhar. Vou chamar esse personagem de Ricardo.

Ricardo sai as 5hs da manhã de casa, pega um trem na estação “A” as 5:30hs, desce na estação “B” as 6hs, caminha um pouco e chega na empresa as 6:30hs.

Há uma tolerância de 5 minutos para atrasos e 10 minutos ainda é tolerado mas com um advertência. Se atrasar 15 minutos, Ricardo não pode entrar e perde o dia.

Em um belo dia, Ricardo chega à estação “A“, compra sua passagem e espera o trem que demora a chegar e acaba atrasando por 15 minutos. Ele deseperadamente desce na estação “B” e corre para o trabalho mas não chega a tempo e perde o dia.

A empresa de transportes não está nem ai para o problema de Ricardo, que no outro dia volta a usar o mesmo serviço e a empresa continua a faturar com o serviço.

Exemplo com uso de smart contract

Agora vamos ver como o uso da plataforma Ethereum e do Smart Contract poderia ajudar o pobre do Ricardo a resolver seu problema de transporte público. 

Imagine outro personagem em nossa história, ele se chama Júlio e tem uma empresa de desenvolvimento de software e está seriamente envolvido com o Ethereum. 

Júlio cria um software que usa smart contract para automatizar o processo de venda de passagens para a empresa de transporte, agora Ricardo pode usar seu celular e através de um App comprar sua passagem e usar o mesmo serviço.

A empresa agora tem maior eficiência no processo de venda pois não depende de funcionários vendendo passagem, também pode ter estatísticas como o número de pessoas usando o serviço e entrando e saindo em cada plataforma.

O sistema agora registra que Ricardo entrou na plataforma “A” as 5:30hs e desceu na plataforma “B” as 6:00hs e igualmente registra quando houve atrasos na chegada.

Com o sistema de smart contract, há um desconto automático no preço cobrado pela passagem. Ricardo agora tem que correr para chegar a tempo na empresa quando há atrasos de 5 a 10 minutos no trem, porém ele paga menos pela passagem.

Com a implementação de smart contract, o sistema agora está automatizado, mais econômico e mais justo. A empresa também se preocupa em dimimuir o atraso para não perder receita com milhões de pessoas que estão agora pagando menos.

A prefeitura criou uma lei municipal que obriga a todas as empresas a adotarem o sistema com smart contract para melhorar o transporte público para todos.

2. Solução para monitorar websites

Exemplo sem uso de smart contract

Um website recebe uma grande quantidade de visitas por dia e por isso o criador resolveu oferecer espaços onde as pessoas podem colocar banners de propaganda.

Há maneiras de controlar a quantidade de visitas à página e os cliques no banner, mas nenhuma é boa o suficiente para realmente gerenciar todo o processo e cobrar do cliente somente pelos cliques ou número de visualizações diários.

Exemplo com o uso de smart contract

Com um smart contract é possíve escrever o código e a plataforma Ethereum toma conta do resto, o cliente pode pagar somente quando alguém efetivamente executa uma ação relacionada ao banner no site, mais ou menos igual ao Google Adsense.

A idéia de monitorar cliques no banner pode ser expandida para outras possibilidades como usar smart contract para monitorar visualizações de vídeos por exemplo.

O desenvolvimento dessa aplicação poderia ser feito utilizando o Browser Ethereum Mist por exemplo, uma ferramenta bem comum entre os desenvolvedores.

O  pagamento dos mineradores

 As transações dos smart contracts são processadas na blockchain do Ethereum e por esse trabalho os mineradores são pagos. Na prática quando um aplicação para uso de smart contract é criada, as taxas de pagamento devem ser definidas. 

Quanto mais velocidade no processamento é requerida, maior a taxa a ser paga os mineradores na blockchain. Isso faz com que o valor do contrato seja negociável.

Então o smart contract pode ser executado sem a dependência de um servidor de uma empresa específica. Os computadores na rede da plataforma Ethereum fazem o trabalho com maior eficiência e redundância e ainda com um preço mais justo.


OBS. Se você chegou até aqui mas ainda tem dúvidas sobre os termos Blockchain, mineração, e Bitcoin leia os artigos:

O que é Bitcon, a moeda do futuro

Blockchain: Entenda como funciona. 

Mineração e Bitcoin: Entenda como funciona. 


A mineração de Ethereum (Ether)

E ai, de repente você se interessa pela mineracão de Ethereum e quer saber como isso funciona e se dá para realmente ganhar algum dinheiro se tornando minerador. 

O conceito de mineração do Ethereum é igual ao do Bitcoin, para ter uma visão mais completa de como funciona o processo basta acessar o link que já mencionei acima.

Mas já que você está por aqui, vou dar uma visão geral e mais básica sobre como funciona a mineração de criptomoeda, nesse caso especificamente, o Ether (ETH).

Conceito de mineração de Ethereum (Ether)

Como já deve saber a moeda da plataforma Ethereum é o Ether (ETH) e você pode ter um acúmulo dessa moeda através de trabalho de processamento dos smart contracts. Esse trabalho é realizado por dispositivos que fazem parte da rede.

Lembra do exemplo do Ricardo que pega compra uma passagem para pegar o trem utilizando um aplicativo no celular? Então, o processamento da transação do contrato pode ser realizado pelo seu computador que está na rede da plataforma Ethereum.

Há mais de detalhes técnicos no processo de mineração, mas falando de maneira de maneira mais simplificada, você estaria ganhando uma recompensa em moeda digital ETH para realizar o trabalho computacional do contrato da empresa de transporte.

Esse trabalho é chamado de mineração e você não escolhe se quer processar um contrato específico, simplesmente passa a participar da rede onde há outros computadores, ou seja, o sistema distribui o trabalho entre os mineradores.

Como minerar Ethereum (Ether)

Para minerar criptomoedas você precisa de poderosos computadores capazes de realizar a tarefa de processamento exigida pela plataforma nas quais irão operar.

Basicamente com um computador e um software é possível ingressar no grupo de mineradores de uma plataforma para moedas específicas como Ether ou Bitcoin.

Há pessoas que começaram a minerar criptomoedas como seus laptos ou desktops, outros compraram ou montaram servidores com maior poder de processamento e entraram no “ramo de mineração”. Mas infelizmente isso é coisa do passado.

Quando uma cpriptomoeda começa a valorizar e ficar popular muitas pessoas entram no negócio de mineração e o sistema automaticamente aumenta o nível de difculdade para minerar, então é necessário ter computadores ainda mais poderosos.

Nível de dificuldade de mineração

A dificuldade aumenta ao ponto de não valer mais a pena pois o gasto que você tem com eletricidade acaba sendo maior que o retorno das moedas que minerou.

A cada mês o nível de dificuldade (conhecido como difficulty) aumenta muito e agora em 2018 várias pessoas já desistiram de minerar Ether com soluções caseiras.

O hardware para minerar ethereum (ether)

Em um computador tradicional como seu Desktop ou laptop o processador principal (CPU) pode ser usado para a mineração de criptomoedas, porém na prática isso não é tão eficiente, quanto utilizar o processador gráfico (GPU) do computador.

É comum ver muitas pessoas montando as famosas RIGs que são computadores com uma placa mãe com processador básico e várias placas de vídeos (GPUs) que são usadas somente para realizar o trabalho de mineração de criptomoedas.

Vendo que existia uma corrida para mineração de criptomoedas, algumas empresas começarm a fabricar hardware específicos com processadores especiais chamados ASICs. Atualmente esse tipo de hardware é a melhor opção para mineração.

Mineração de Ethereum (Ether) na nuvem

Uma opção mais simples é fazer um contrato de mineração com uma empresa que irá disponibilizar o poder de processamento dos servidores para fazer a mineração.

Você simplesmente compra unidades de processamento para a cpriptomoeda que quer minerar, como o ETH por exemplo e a empresa faz todo o trabalho por você.

Obviamente o lucro virá depois de um certo tempo se a moeda que está minerando valorizar o suficiente para cobrir o valor investido e as taxas e sobrar uma margem. 

Um exemplo de empresa de mineração que tem se mostrado confiável é a Genesis, que vende contratos para minerar moedas como o Bitcoin e Ethereum (ether). 

Além de contratar os serviços, a Genesis ainda permite que possa participar de um programa de afiliados e convidar outros investidores a usarem a plataforma.

Conclusão

Ethereum é uma plataforma muito promissora, o conceito é brilhante e Vitalik é um gênio por ter desenvolvido algo que tem o potencial de revolucionar a maneira com que os serviços são oferecidos, cobrados, executados e controlados.

Acredito que com tempo e apoio suficiente essa plataforma irá se tornar um padrão universal que as empresas irão adotar em todo o mundo, se isso não acontecer com o Ethereum, certamente irá acontecer com alguma plataforma que se baseia no mesmos princípios e lógica de contratos inteligentes (smart contracts).

Quanto à moeda da plataforma, é uma incógnita pois a volatilidade da cotação, as epeculações e interesses econômicos mundiais torna impossível ter uma previsão do que realmente pode acontecer. Mas aposto que é uma boa opcão de investimento.

Agora que já conhece um pouco melhor o mercado das criptomoedas, siga o link abaixo e descubra com este conteúdo exclusivo todos os segredos do Bitcoin e como começar a criar rendimentos investindo em Bitcoin:

Ainda sem comentários

Deixe um comentário

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Fica a saber como são processados os dados dos comentários.